Mais um projeto apoiado pela Fade-UFPE, recentemente, chegou à reta final e obteve resultados que certamente gerarão impactos positivos na sociedade. Trata-se do “Rede Nacional de Tratamento de Esgotos Descentralizados – Caracterização de águas residuárias de origem domésticas: segregadas ou não segregadas (CARARD)”, projeto que durou seis anos de pesquisa e foi financiado pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

O projeto em questão é um Convênio de Rede e a fundação de apoio âncora é a Fundação ASTEF, que apoia a UFC no Ceará. O coordenador geral da Rede é o Professor André Bezerra. Aqui na UFPE, o projeto CARARD ficou sob a tutela do Professor Mário Kato, do Departamento de Engenharia Civil. O projeto contou ainda com a participação das professoras Maria de Lourdes Florêncio, Sávia Gavazza, e Juliana Cardoso, e dos professores Ronaldo Melo e Wanderli Moreira, todos lotados no Departamento de Engenharia Civil.

O objetivo geral do projeto era desenvolver sistemas locais e descentralizados de manejo de águas residuárias de origem doméstica, incluindo aspectos de sustentabilidade e de gerenciamento de subprodutos líquidos, sólidos e gasosos. No caso da UFPE, o objetivo era realizar estudos de caracterização qualitativa e quantitativa de águas residuárias de origem doméstica, através de coletas em estações de esgoto, principalmente em locais como Rio Formoso e Petrolândia. Uma das notáveis ações do grupo foi a participação e apresentação de trabalhos no “Tiwa Biofilms: Granular Sludge System Conference 2018”, evento holandês cuja temática girava em torno de sistemas de lodo granular que podem funcionar como fábricas de recursos, seguindo o interesse por sistemas anaeróbicos para a produção de biogás.

Alguns dos resultados do projeto foram a caracterização de águas residuárias de origem doméstica segregadas e não segregadas quanto à presença de macro-poluentes (série de sólidos, matéria orgânica, nutrientes, patógenos, parâmetros físicos; a caracterização de águas residuárias de origem doméstica segregadas e não segregadas quanto à presença de micro-poluentes específicos (interferentes endócrinos, fármacos, nonil-fenóis etoxilados, metais); a formação e capacitação de recursos humanos na área de interesse e a caracterização de águas residuárias de origem doméstica segregadas e não segregadas quanto à presença de macro-poluentes (série de sólidos, matéria orgânica, nutrientes, patógenos, parâmetros físicos).

Além de administrar o recurso concedido ao subprojeto CARARD, a Fade acompanhou toda a execução e trabalhou para atender todas as necessidades da equipe para viabilizar a pesquisa. Os equipamentos pertinentes foram comprados, materiais disponibilizados, passagens e diárias providenciadas e serviços realizados. Thais Mendonça, colaboradora da Fade-UFPE, alocada no Núcleo Finep, foi a responsável por acompanhar o projeto ao longo dos dois últimos anos. “Apesar das dificuldades, que sempre existem, pude trabalhar, além do Professor Mário, com os professores Ronaldo e Juliana, que nos ajudaram bastante. Também pude compreender melhor o nível de importância do nosso trabalho e o impacto do nosso envolvimento para o alcance das metas físicas do projeto. Entender nossa relevância nos dá a certeza de que o resultado será satisfatório, desde que todos os envolvidos estejam totalmente comprometidos”, comenta Mendonça.

O Professor Mário Kato também tornou público sua satisfação com os resultados do projeto e com a parceria firmada com a Fade. “Venho lhes agradecer pelo empenho de toda a equipe envolvida no projeto Rede TED – FINEP (núcleo UFPE), em especial a Thais Mendonça, Camilla Fontes, Alessandra Miranda e Maely Araújo, que tanto nos auxiliaram nos nossos processos de compra. O apoio desta equipe foi importante para o sucesso deste projeto”, diz Kato. É a partir de resultados como esse que nos fortalecemos para prosseguir caminhado rumo a uma sociedade cada vez mais inovadora, doando nosso trabalho e comprometimento em prol desse sonho.