Foto: Márcia Foletto / Agência O Globo

Em 2015, sobretudo no Nordeste, o Brasil vivenciou um surto de casos de microcefalia associados ao vírus Zika, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. Segundo o Ministério da Saúde, foram mais de 450 casos confirmados em Pernambuco até 2018. Atualmente, essas crianças estão chegando à idade escolar. Pensando nisso, a Fundação Volkswagen e a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) firmaram um acordo para o financiamento de um projeto de pesquisa voltado a estudar o impacto da microcefalia, especificamente oriunda da Síndrome Congênita do Vírus Zika, na inclusão escolar de crianças.

A pesquisa será conduzida pela Dr.ª Silvia Fernanda de Medeiros Maciel, Professora-Adjunta do Departamento de Psicologia da UFPE, e pretende indicar caminhos para a elaboração de propostas de formação de educadores, com foco numa prática educativa amplamente inclusiva, em creches e instituições de Educação Infantil.

A iniciativa conta com o apoio da Diretoria de Inovação da Universidade e da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento da UFPE (Fade). O estudo está sendo desenvolvido a pedido da Fundação Volkswagen, responsável pelo fomento, e será apresentado em dezembro no formato de artigo científico. Os dados serão coletados notadamente na Região Metropolitana do Recife, com a participação de especialistas e profissionais de saúde e educação.

Fonte: Fundação Volkswagen