Fade-UFPE participa do Simpósio Internacional SIMBOA-2017

No período de 06 a 09 de junho foi realizado, no Auditório da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte (FIERN), em Natal/RN, o Simpósio Internacional de Moléculas Bioativas e Bioprocessos de Organismos Aquáticos (SIMBOA-2017). Com o tema “Produção de pescado multimercadológica, cíclica e integralizada: uma proposta para o Futuro”, o evento deu ênfase à multidisciplinaridade dos estudos da cadeia produtiva do pescado como um todo, e a possibilidade de aplicação no mercado. Uma oportunidade para  apresentar propostas para que o setor pesqueiro seja capaz de gerar matérias primas, insumos e produtos não só para a indústria pesqueira, mas também para outros segmentos industriais, criando mecanismos para aumentar a produtividade do pescado a fim de maximizar a geração de matéria prima.

A Secretária Executiva da Fade-UFPE, professora Suzana Montenegro, participou do Simpósio ministrando uma palestra na mesa redonda “Legislação e o novo marco legal no caminho da inovação tecnológica” inserida dentro do conjunto de palestras “Experiências e expertises no diálogo entre a academia e o setor produtivo” do SIMBOA 2017.  Para a professora Suzana Montenegro“á multidisciplinaridade do evento com profissionais de várias áreas do conhecimento interagindo trouxe dinamicidade ao evento. O encontro permitiu o intercâmbio entre empresa, indústria e academia. Por meio da participação da Fade-UFPE foi possível levar conhecimento ao mercado sobre a legislação que rege as fundações e como a Fade pode ser um elo importante entre a academia e o mercado, podendo contar ainda com outras instância de governo, compondo a tríplice hélice”, explicou Suzana Montenegro.

O colaborador da Fade-UFPE, David Pessoa, participou da mesa redonda “Sala de Casamento de Ideias”, com uma explanação sobre a formatação de projetos para os pesquisadores e empresas, esclarecendo as regras e apresentando os benefícios. “Foi fundamental a participação da Fade-UFPE no evento, pois somos uma ponte necessária entre a boa ideia acadêmica e os reais problemas ou oportunidades das empresas do setor produtivo, pois a Fundação pode ser o caminho mais rápido e seguro para que a academia e o empresariado firmem boas parcerias com o objetivo de desenvolver as melhores soluções”, explicou David Pessoa.

 

Por meio desse encontro foi possível discutir a produção de pescado relacionando áreas básicas como Bioquímica e Fisiologia com áreas de Produção, como a Aquicultura e o beneficiamento do pescado. O evento funcionou como uma proposta enriquecedora para os participantes, sobretudo para os alunos, pesquisadores e empresas da cadeia produtiva do pescado que tiveram a oportunidade de trocar conhecimentos sobre os trabalhos desenvolvidos pelas instituições acadêmicas que participaram do SIMBOA, além de aproximar as empresas e indústrias das melhores soluções propostas pelas pesquisas acadêmicas.

Orgy