Projetos de Extensão

Imaginário Pernambucano – Esse projeto leva design, inclusão social e desenvolvimento sustentável para diversas comunidades do interior de Pernambuco. O Imaginário é um dos projetos mais antigos em que a Fade-UFPE atua como parceira no gerenciamento. Atuando em comunidades do interior, o projeto é um laboratório do departamento de Design da UFPE, que trabalha baseado no tripé ensino, pesquisa e extensão. Sua proposta é assegurar o artesanato como meio de vida sustentável, através de ações que respeitem os valores culturais de suas comunidades produtoras. As ações do Imaginário ocorrem em comunidades de baixo IDH – Índice de Desenvolvimento Humano e que possuem alguma tradição de produto artesanal. O projeto já desenvolveu atividades em comunidades como Conceição das Crioulas, Kambiwá, Cabo de Santo Agostinho, Goiania, Tracunhaém e Alto do Moura, sempre respeitando e valorizando a cultura local, buscando desencadear uma gestão autônoma. A recuperação da auto-estima dos povos é um dos fatores positivos da relação do Imaginário com as comunidades. Atualmente, o Imaginário está atuando em Goiana, no Cabo de Santo Agostinho e na comunidade de Quilombolas de São Lourenço. No Cabo, o projeto incentivou a criação do Centro de Artesanato Arquiteto Wilson Campos Júnior, que é patrocinado pela PETROBRAS e tem 12 artesãos cadastrados.

Projeto Diálogos Suape – Vinculado ao Departamento de Psicologia da UFPE, o projeto Diálogos para o Desenvolvimento Social de Suape teve inicio em 2012, com recursos da Petrobras e apoio da Fade-UFPE. O projeto promoveu várias atividades de mobilização social nos municípios do Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca ao longo de dois anos de convênio. Equipes de psicólogos e assistentes sociais do Recife viajaram diversas vezes em caravanas até a região, onde promoveram ações de conscientização objetivando reduzir a vulnerabilidade da população aos impactos sociais negativos advindos do desigual crescimento econômico. O principal objetivo das ações do Diálogos Suape foi reduzir os índices de problemas de saúde e violência na população local, principalmente no que tange à gravidez na adolescência, prevenção das DST/AIDS, enfrentamento à exploração sexual de crianças e adolescentes, violência contra as mulheres e problemas relacionados ao uso abusivo de álcool e outras drogas. Durante seus dois anos de vigência, o projeto conseguiu atingir mais de 200 mil moradores da região de Suape, beneficiando a população com oficinas e rodadas de diálogos temáticas.