O Conselho Universitário aprovou ontem (27) a Política de Inovação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), que pretende regulamentar, no âmbito da universidade, entre outros, o chamado Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação (Lei n° 13.243/2016). Esse é um passo muito importante da UFPE no estímulo à criação, gestão de propriedade intelectual, empreendedorismo e inovação – pilares da sociedade do conhecimento -, uma vez que foram estabelecidas diretrizes e objetivos institucionais para esse fim.

A Política de Inovação também aponta estratégias de incentivo à produção científico-tecnológica e de inovação, além de indicar mecanismos de cooperação e transferência tecnológica para a sociedade. A PI tem como objetivos o compromisso com o desenvolvimento econômico e social do país, estímulo à promoção de parcerias estratégicas, inovação como eixo prioritário, induzir e ampliar o compartilhamento de saberes e experiências com a sociedade local, nacional e internacional e garantir à população o acesso aos benefícios econômicos e sociais gerados pelas criações produzidas na instituição.

A Fundação de Apoio ao Desenvolvimento da UFPE (Fade-UFPE), enquanto principal agente de estabelecimento de relações entre a universidade e a sociedade, no sentido de produção de pesquisa e desenvolvimento da inovação, teve participação direta na construção da PI, com a participação de Rebeca Pernambuco, Assessora Jurídica da Fade-UFPE. O Reitor Anísio Brasileiro destacou a Fundação durante a reunião do Conselho, reforçando sua importância no que tange às conquistas da UFPE nesse sentido.

Durante a reunião do Conselho, além de outras questões debatidas, cinco projetos de pesquisa que serão desenvolvidos em parceria com a Fade-UFPE foram aprovados. Assim a Fade, como única fundação de apoio da UFPE, fortalece essa parceria participando ativamente dos avanços e conquistas na área da ciência e da inovação.