35º Encontro das Fundações de Apoio é encerrado com resultados positivos para a pesquisa e inovação no país

O 35º Encontro das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Científica e Tecnológica (Confies), ocorrido entre 29 de novembro e 01 de dezembro de 2017, em Maceió – AL, voltou-se, durante essa edição, para a discussão acerca de temas importantes como políticas de transparência, corte de verbas, gestão de projetos da Petrobras e Finep, além de assuntos de interesse da comunidade de ciência e inovação do país. Estiveram presentes no evento profissionais de 24 estados e do Distrito Federal e representantes de mais de 90 fundações, que apoiam cerca de 150 instituições de pesquisa e administram 22 mil projetos movimentadores de cinco a seis bilhões de reais e força de trabalho de 60 mil pessoas, e que contabiliza quase 80% das importações de insumos para a pesquisa no Brasil.

Mesa principal do 35º Confies com dirigentes / Foto: Evanildo Silveira

Entre as diversas atividades realizadas (conferências, fóruns, mesas e oficinas), destacou-se a mesa Burocracia e a Autorregulação das Fundações, que contou com a participação da diretoria do Confies, de representantes da CGU, do MCTIC e da Advocacia Geral da União (AGU) e a mediação da professora Suzana Montenegro, Secretária Executiva da Fade-UFPE e Vice-Presidente do Confies. Durante esse encontro foi apresentado o Termo de Entendimento sobre a Autorregulação das Fundações de Apoio, que contempla 15 pontos da legislação, elaborado em conjunto com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), com o Ministério da Educação (MEC) e com o Fórum de Educação da Procuradoria-Geral Federal (PGF).

O Termo foi assinado pelo Confies e pela Controladoria Geral da União (CGU) e tem como objetivo a autorregulação das fundações de apoio na busca pela redução da burocracia, a fim de promover uma maior eficiência na gestão dos projetos apoiados, pois “a ideia é criar uma forma de controle mais racional, transparente, preventiva e justa para controladores e controlados”, como afirma o Prof. Fernando Peregrino, presidente do Confies. Para Victor Godoy Veiga, diretor da Auditoria de Políticas Sociais da CGU, o documento foi “uma grande oportunidade para conseguirmos construir conjuntamente um novo caminho, de aproximação com o setor privado e redução da burocracia. Também é fundamental ouvir o outro lado, saber quais são as dificuldades que as instituições estão enfrentando, quais empecilhos que atrapalham as pesquisas e contribuir para vencê-los”.

Fonte: Texto produzido com informações coletadas através da ASCOM Confies e do Portal Nossa Ciência.

Orgy