UFPE e Fade participam do 8º Fórum Mundial da Água

O Fórum Mundial da Água é o maior evento global sobre o tema água e é organizado pelo Conselho Mundial da Água, uma organização internacional que reúne cerca de 400 instituições relacionadas à temática de recursos hídricos em aproximadamente 70 países. O Conselho é composto de representantes de governos, da academia, sociedade civil, de empresas e organizações não governamentais, todos com uma mesma missão: “promover a conscientização, construir compromissos políticos e provocar ações em temas críticos relacionados à água para facilitar a sua conservação, proteção, desenvolvimento, planejamento, gestão e uso eficiente, em todas as dimensões, com base na sustentabilidade ambiental, para o benefício de toda a vida na terra”.

Nesta edição, tanto a UFPE quanto a Fade-UFPE estarão representadas ao longo do encontro. O projeto de pesquisa intitulado “Ciência Inovadora e Diálogo Político Influente para a Segurança Hídrica nas Américas Áridas”, realizado pela UFPE em parceria com a Universidade do Arizona e administrado pela Fade-UFPE, foi selecionado para ser apresentado durante o Fórum. O projeto é coordenado por Alfredo Ribeiro Neto, professor de engenharia civil da UFPE, e conta com Suzana Lima Montenegro, secretária executiva da Fade-UFPE, no posto de pesquisadora doutora. Alzira Saraiva Souza e Maria Tereza Dutra também estão presentes no corpo executor da pesquisa.

A Fade-UFPE tem sido uma parceira importantíssima para a UFPE, viabilizando e auxiliando diversos projetos produzidos em conjunto com outras universidades brasileiras e também internacionais. Um exemplo desse trabalho foi o premiado artigo científico que sugeriu um novo método diagnóstico de identificação do Zika Virus, desenvolvido a partir de um projeto de pesquisa – apoiado pela Fade – envolvendo o Lika-UFPE e a Universidade de Nagasaki.

Alfredo Ribeiro e Suzana Montenegro estarão presentes em Brasília para apresentar o projeto e adquirir novos conhecimentos acerca do tema. Montenegro aponta a importância da participação da UFPE no Fórum: “sendo o evento mais importante a respeito de recursos hídricos por conta de sua abrangência mundial, alcançando diferentes públicos, regiões e afins, é de grande importância, para nós da UFPE, participar do Fórum. Tivemos a oportunidade de, através do projeto, propor uma sessão. Essa sessão está relacionada ao que nós chamamos de processo temático, mais especificamente com o tema clima, que tem toda uma relação com a água.”

Alfredo, que coordena a sessão, explica qual a temática e quais os objetivos do debate: “essa sessão está sendo organizada no âmbito do projeto, do qual sou coordenador e ao qual a Fade-UFPE oferece apoio administrativo. O título da sessão é “Superação das Barreiras Técnicas de Comunicação para Integrar Informações da Ciência do Clima na Tomada de Decisão sobre os Recursos Hídricos e Adaptação às Mudanças Climáticas”. A ideia principal é debater sobre como a informação gerada na academia, nessa interface entre ciência do clima e recursos hídricos, pode subsidiar gestores e tomadores de decisão acerca de, por exemplo, elaborações de políticas públicas que visam reduzir vulnerabilidades hídricas de comunidades carentes”.

O evento é organizado a cada três anos pelo Conselho Mundial da Água juntamente com o país e a cidade anfitriã. Ao todo, já ocorreram sete edições do evento em sete países de quatro continentes: África, América, Ásia e Europa. A realização desse encontro contribui para o diálogo do processo decisório sobre o tema em nível global, visando o uso racional e sustentável da água. A candidatura do Brasil para sediar o evento foi aprovada em 2014 e, dessa maneira, em 2018 é Brasília que recebe a 8ª edição do Fórum, sendo esta a primeira vez que o Fórum ocorre no Hemisfério Sul. O encontro acontecerá de 18 a 23 de março de 2018. Os debates e demais atividades do Fórum ocorrerão no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, enquanto a Vila Cidadã e a Feira serão sediadas no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha.

Sobre a participação no evento, a professora Suzana diz que “ o debate será muito rico, pois o Fórum tem um processo organizacional que garante a participação de diferentes setores e a academia se insere muito bem nesse processo. Nosso projeto, financiado pelo IAI (Inter-American Institute for Global Change Research), tem justamente como tema central o diálogo e a ciência política, no sentido de direcionamento de questões relacionadas à água, à gestão, à conservação, etc. Daí a importância de participarmos de um evento desse porte. Essa participação terá um grande retorno não só para o projeto, mas também para a UFPE, nas discussões em sala de aula, na elaboração de projetos futuros, enfim. É uma grande oportunidade para a nossa universidade, para o setor de recursos hídricos – com o apoio e a gestão administrativa da Fade – e para o país”. 

O professor Alfredo endossa a fala de Montenegro, apontando as diversas instituições que estarão presentes na sessão coordenada por ele: “Também participarão da sessão outras instituições que são parceiras do projeto, como a International Water Security Network, que também é um projeto e trata de segurança hídrica e a Rede Brasileira de Pesquisa sobre Mudanças de Clima, da qual fazem parte pesquisadores e professores do Departamento de Engenharia Civil da UFPE. Além disso, outras instituições também deverão contribuir com o moderador ou palestrante, como é o caso da French Water Partnership, da França, o Corpo de Engenheiros do exército dos EUA, o Centro de Estudos em Sustentabilidade, da Fundação Getúlio Vargas, e a Monash University, da África do Sul. A sessão está programada para acontecer na quinta-feiera, dia 22 de março, pela manhã”.

O projeto conta com grupos de pesquisa de cinco países das Américas com larga experiência no tema recursos hídricos em regiões semiáridas. Com o intuito inicial de mapear mudanças globais de importância, o estudo busca gerar novos conhecimentos sobre fenômenos naturais e as dimensões humanas, além de desenvolver estratégias de comunicação e implicações políticas.

Fonte: http://www.worldwaterforum8.org/